Square 4aw5fjo
Esta mobilização foi selecionada por Meu Rio. Saiba mais sobre a seleção, clique aqui.

Não deixem o Museu da Maré acabar

No ar há 6 anos em Cultura
Square 6mfijeg
Cozinheiro da mobilização
Não deixem o Museu da Maré acabar
11 de Dezembro de 2014

No começo do mês, o Museu da Maré recebeu uma ordem de despejo. Agora, esse importante patrimônio cultural da cidade e referência mundial, corre o risco de acabar. A comunidade já está organizada em torno da questão, mas a pressão de toda a sociedade civil carioca é indispensável para que as autoridades ajam. A secretária estadual de Cultura, Adriana Rattes, até já disse que é favorável à defesa do Museu, mas ainda não sabemos o que está fazendo para transformar o discurso em realidade.

Mas, se milhares de cidadãos enviarem mensagens exigindo que os secretários de Cultura estadual e municipal salvem o Museu da Maré, eles terão que se mexer. Pressione agora!

Mas o que significa o Museu da Maré para mim, nascida e criada na Maré?

O Museu da Maré desperta sentimentos e sensações nunca experimentados por mim até frequentá-lo. Para se ter ideia, ao adentrar o espaço, me deparo com um barraco de palafitas e roupas no varal. Uma exposição permanente do Museu que me faz rememorar as histórias inacreditáveis que a minha mãe contava. Certa vez, ela disse que estava em uma festa dentro de uma palafitas dessas quando parte do assoalho do barraco desabou e muitos convidados caíram na maré. E as histórias não acabam por aí, cada um dos objetos expostos dentro da casinha falam por si. Está lá um exemplar do ferro à lenha, aquele que minha mãe, ainda menina, se desdobrava para segurar o seu peso e soprar com cuidado para não manchar ou queimar as vestimentas do meu exigente avô. Também encontrei um objeto chamado pente quente. Aquele pente com dentes de ferro que muitas mulheres levavam ao fogo e depois usavam para alisar os cabelos. Voltei a lembrar de minha mãe, já que o utilizou durante muito tempo. Imaginei a dor horrível que deveria sentir ao puxar seus cachos com um pente daqueles.

Ao descer as escadinhas do barraco, vejo recriados os palhaços que tanto me divertiram nos dias de folias de reis durante a infância, além das brincadeiras e brinquedos da minha época. Há ainda exposto um exemplar do primeiro jornal comunitário da Maré que traz manchetes sobre a vida na favela. Um primor para qualquer pesquisador de comunicação comunitária. Já no finalzinho da exposição, uma câmara escura guarda todo o sofrimento que ainda hoje faz parte do cotidiano de dor na favela. Algo que remete à reflexão profunda, mas me resguardo ao direito de não descrevê-la, pois a sensação é muito singular e individual. É preciso experimentá-la pessoalmente. O Museu da Maré é seu!

O Museu da Maré foi o primeiro que minha mãe visitou e essas lembranças foram recontadas com detalhes, emoção e sensibilidade. É o museu da minha mãe, que além de agregar os contos e lendas da favela, rememora sua cultura, história e experiência de resistência. Mas tudo isso está ameaçado por conta de uma notificação de despejo feito pelo Grupo Libra, que havia cedido o prédio em comodato ao Centro de Estudos e Ações Sociais da Maré (Ceasm). Independente de seu súbito interesse pelo prédio, já que a Maré está em processo de pacificação e os imóveis começam a ser valorizados, o que está em risco é todo o arcabouço político, cultural e identitário da Maré. É preciso nos mobilizarmos, já que temos responsabilidade sobre o extermínio de um espaço de cultura tão singular como o Museu da Maré. Nem todo mundo tem o privilégio de ter um museu para chamar de seu. Mas, o Museu da Maré é meu e seu também!

Renata Souza, cria da Maré


A Constituição Federal é muito clara quanto à responsabilidade do Poder Público na preservação da cultura popular:

Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos; IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cultural;

Art. 30. Compete aos Municípios: IX - promover a proteção do patrimônio histórico-cultural local, observada a legislação e a ação fiscalizadora federal e estadual.


Fontes:

Museu da Maré

Constituição Federal

Ameaça de despejo do Museu da Maré mobiliza comunidade

Acervo histórico ameaçado por ordem de despejo

Deixe seu comentário

Opa, não era exatamente isso que você esperava…
Mas temos uma novidade : )

Nosso querido Panela de Pressão ajudou cidadãos e cidadãs a conquistarem vitórias importantes. Por isso, decidimos ir além: estamos desenvolvendo o  BONDE - uma ferramenta ainda mais completa, com várias funcionalidades para você mobilizar pessoas em torno das causas que acredita. Tudo o que você fazia aqui, vai poder fazer no  BONDE  - e muito mais!

Em breve, o  BONDE  vai começar a circular. Enquanto isso, você pode propor mobilizações para uma das equipes locais da Rede Nossas Cidades - é só preencher o formulário abaixo:

PREENCHER FORMULÁRIO

(Como nossa equipe é pequena, a gente não pode garantir que a mobilização vá ao ar, mas prometemos que a proposta vai ser estudada com o todo o cuidado - e, havendo condições de produzir, vamos entrar em contato com você pra construirmos juntos.)

Você também pode apoiar causas que já estão no ar! Dê uma olhada nas mobilizações abertas na Rede Nossas Cidades: